…ainda sobre RC

Depois de 22 anos inundada com a sua música, tentei por de lado o preconceito e admitir que gosto de alguns de seus trabalhos.

A maioria das pessoas da minha idade faz uma careta ao ouvir seu nome e se sente superior ao dizer que não gosta dele. (apesar de dizer feliz da vida que gosta de coisas ‘densas’ como funk… enfim…) Mas eu reconheço que algumas de suas letras são umas das mais bonitas poesias em portugues-br contemporaneas.  E quem me conhece sabe que musica pra mim é a letra e letra é poesia, pois não entendo nada de melodia, instrumentos, essas coisas… Só me encantam seus assuntos e suas formas de dizer…

Por exemplo, eu não entendia o conceito de universalidade na literatura enquanto estava no colégio, mas aos poucos percebi que em alguns livros nós nos identificamos totalmente com algum personagem e nos melhores até mesmo com todos eles, como se cada parte da nossa personalidade pudesse ser dividida e posta em um ringue, pra ver qual delas vai ganhar, qual sentimento vai prevalecer, quem somos nós afinal e onde iremos chegar. E quando nessa bagunça toda, jogam o tema ‘amor’, vemos num espelho o nosso objeto de adoração, as situações, os sentimentos…

E é aí, pra mim, que entra RC. Ele cantou muitas canções sobre amor e esse é o meu tema favorito.

“Olha” é uma das minhas preferidas dele, que já usei como trilha sonora pra alguns dias da minha vida.

Olha você tem todas as coisas
Que um dia eu sonhei pra mim
A cabeça cheia de problemas
Não me importo, eu gosto mesmo assim
Tem os olhos cheios de esperança
De uma cor que mais ninguém possui
Me traz meu passado e as lembranças
Coisas que eu quis ser e não fui
Olha você vive tão distante
Muito além do que eu posso ter
E eu que sempre fui tão inconstante
Te juro, meu amor, agora é prá valer
Olha, vem comigo aonde eu for
Seja minha amante, meu amor
Vem seguir comigo o meu caminho
E viver a vida só de amor

Em “Outra Vez”, sempre sempre sempre se encontra a lembrança de uma certa pessoa que nos tenha feito sentir algo compativel com o exposto ali.

Você foi
O maior dos meus casos
De todos os abraços
O que eu nunca esqueci
Você foi
Dos amores que eu tive
O mais complicado
E o mais simples pra mim…

Você foi
O melhor dos meus erros
A mais estranha história
Que alguém já escreveu
E é por essas e outras
Que a minha saudade
Faz lembrar
De tudo outra vez…

Você foi
A mentira sincera
Brincadeira mais séria
Que me aconteceu
Você foi
O caso mais antigo
E o amor mais amigo
Que me apareceu…

Das lembranças
Que eu trago na vida
Você é a saudade
Que eu gosto de ter
Só assim
Sinto você bem perto de mim
Outra vez…

Me esqueci
De tentar te esquecer
Resolvi
Te querer, por querer
Decidi te lembrar
Quantas vezes
Eu tenha vontade
Sem nada perder…

Ah!
Você foi
Toda a felicidade
Você foi a maldade
Que só me fez bem
Você foi
O melhor dos meus planos
E o maior dos enganos
Que eu pude fazer…

Das lembranças
Que eu trago na vida
Você é a saudade
Que eu gosto de ter
Só assim
Sinto você bem perto de mim
Outra vez….

Além disso, acho que não existe jeito mais feminino de dizer temas sensuais. Mulher às vezes gosta de ouvir coisas como “Quero só que se arrebente/Algum botão da sua blusa” ou “Os botões da blusa que você usava/ E meio confusa desabotoava/Iam pouco a pouco me deixando ver/No meio de tudo/Um pouco de você”. Sabe? Sentir o desejo do cara de um jeito mais terno? No meio de tanta sexualidade explicita, ouvir um ‘você é gostosa’ dito de forma não grosseira? Compreendo porque tantas mulheres se apaixonaram por seu atrevimento romantico.

E “Cavalgada”, eu acho umas das musicas mais eróticas.

Vou cavalgar por toda a noite
Por uma estrada colorida
Usar meus beijos como açoite
E a minha mão mais atrevida

Vou me agarrar aos seus cabelos
Pra não cair do seu galope
Vou atender aos meus apelos
Antes que o dia nos sufoque

Vou me perder de madrugada
Pra te encontrar no meu abraço
Depois de toda a cavalgada
Vou me deitar no seu cansaço

Sem me importar se neste instante
Sou dominado ou se domino
Vou me sentir como um gigante
Ou nada mais do que um menino

Estrelas mudam de lugar
Chegam mais perto só pra ver
E ainda brilham de manhã
Depois do nosso adormecer

 

E por fim, uma das que eu acho mais universal de todas, deixo essa, ‘Do Fundo do meu coração’, porque sou fã de uma melancolia-amorosa-não-correspondida.

Eu, cada vez que vi você chegar,
Me fazer sorrir e me deixar
Decidido, eu disse nunca mais
Mas, novamente estúpido provei
Desse doce amargo quando eu sei
Cada volta sua o que me faz

Vi todo o meu orgulho em sua mão
Deslizar, se espatifar no chão
Vi o meu amor tratado assim
Mas, basta agora o que você me fez
Acabe com essa droga de uma vez
Não volte nunca pra mim

Mais uma vez aqui
Olhando as cicatrizes desse amor
Eu vou ficar aqui
E sei que vou chorar a mesma dor

Agora eu tenho que saber
O que é viver sem você

Eu, toda vez que vi você voltar,
Eu pensei que fosse pra ficar
E mais uma vez falei que sim
Mas, já depois de tanta solidão
Do fundo do meu coração
Não volte nunca mais pra mim

Mais uma vez aqui
Olhando as cicatrizes desse amor
Eu vou ficar aqui
E sei que vou chorar a mesma dor

Se você me perguntar se ainda é seu
Todo o meu amor, eu sei que eu
Certamente vou dizer que sim
Mas, já depois de tanta solidão
Do fundo do meu coração
Não volte nunca mais pra mim

 

~ por julferbas em agosto 31, 2009.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: